Criptomoeda: aspectos jurídicos da UE e da Holanda na tecnologia revolucionária

Introdução

O crescimento mundial e a crescente popularidade da criptomoeda levaram a perguntas sobre os aspectos regulatórios desse novo fenômeno financeiro. As moedas virtuais são exclusivamente digitais e organizadas por meio de uma rede conhecida como blockchain, que é um razão online que mantém um registro seguro de cada transação em um só lugar. Ninguém controla o blockchain, porque essas cadeias são descentralizadas em todos os computadores que possuem uma carteira Bitcoin. Isso significa que nenhuma instituição controla a rede, o que implica naturalmente a existência de muitos riscos financeiros e legais.

As startups de blockchain adotaram as Ofertas Iniciais de Moedas (ICOs) como uma maneira de aumentar o capital inicial. Uma OIC é uma oferta pela qual uma empresa pode vender tokens digitais ao público para financiar operações e atender a outros objetivos de negócios. [1] Além disso, as OICs não são regidas por regulamentos ou agências governamentais específicas. Essa falta de regulamentação aumentou a preocupação com os riscos potenciais que os investidores correm. Como resultado, a volatilidade se tornou uma preocupação. Infelizmente, se um investidor perde fundos durante esse processo, ele não tem um curso de ação padronizado para recuperar o dinheiro perdido.

Criptomoeda - Aspectos legais holandeses da UE e da tecnologia revolucionária

.

Moedas virtuais a nível europeu

Os riscos associados ao uso de moeda virtual aumentam a necessidade de regulamentação da União Europeia e de suas instituições. No entanto, a regulamentação no nível da União Européia é bastante complexa, devido às mudanças nos marcos regulatórios da UE e às inconsistências regulatórias nos estados membros.

Por enquanto, as moedas virtuais não são regulamentadas a nível da UE e não são supervisionadas de perto ou supervisionadas por nenhuma autoridade pública da UE, embora a participação nesses esquemas exponha os usuários a riscos de crédito, liquidez, operacionais e legais. Isso significa que as autoridades nacionais precisam considerar se pretendem reconhecer ou formalizar e regular a criptomoeda.

Moedas Virtuais na Holanda

De acordo com a Lei de Supervisão Financeira Holandesa (FSA), o dinheiro eletrônico representa um valor monetário que é armazenado eletronicamente ou magneticamente. Esse valor monetário destina-se a ser usado para realizar transações de pagamento e pode ser usado para fazer pagamentos a outras partes que não aquela que emitiu o dinheiro eletrônico. [2] Moedas virtuais não podem ser definidas como moeda eletrônica, porque nem todos os critérios legais são atendidos. Se a criptomoeda não pode ser legalmente definida como dinheiro ou dinheiro eletrônico, como o que pode ser definido? No contexto da Lei de Supervisão Financeira Holandesa, a criptomoeda é apenas um meio de troca. Todo mundo tem a liberdade de se envolver no comércio de escambo, portanto, a permissão na forma de uma licença não é necessária. O Ministro das Finanças indicou que a revisão da definição legal formal de moeda eletrônica ainda não é desejável, dado o escopo limitado do bitcoin, o nível relativamente baixo de aceitação e o relacionamento limitado com a economia real. Ele enfatizou que o consumidor é o único responsável por seu uso. [3]

De acordo com o Tribunal Distrital Holandês (Overijssel) e o Ministro das Finanças holandês, uma moeda virtual, como o Bitcoin, tem o status de meio de troca. [4] Em recurso, o Tribunal Holandês considerou que os bitcoins podem ser qualificados como objetos vendidos, conforme referido no artigo 7:36 do DCC. O Tribunal de Apelação holandês também declarou que os bitcoins não podem ser qualificados como moeda legal, mas apenas como meio de troca. Por outro lado, o Tribunal de Justiça Europeu decidiu que os bitcoins devem ser tratados como um meio de pagamento, sugerindo indiretamente que os bitcoins são semelhantes a moeda legal. [5]

Conclusão

Devido à complexidade que envolve a regulamentação de criptomoedas, pode-se presumir que o Tribunal de Justiça da UE terá que estar envolvido no esclarecimento da terminologia. No caso dos Estados-Membros que optaram por adaptar a terminologia de forma diferente da legislação da UE, podem surgir dificuldades relacionadas com a interpretação, em conformidade com a legislação da UE. Nesta perspectiva, é necessário recomendar aos Estados-Membros que sigam a terminologia da legislação da UE enquanto implementam a legislação na legislação nacional.

A versão completa deste white paper está disponível neste link.

Contato

Se você tiver perguntas ou comentários depois de ler este artigo, entre em contato com o sr. Maxim Hodak, advogado na Law & More via maxim.hodak@lawandmore.nl, or mr. Tom Meevis, attorney-at-law at Law & More via tom.meevis@lawandmore.nl, or call +31 (0)40-3690680.

[1] C. Bovaird, ICO x IPO: Qual é a diferença ?, Bitcoin Market Journal, setembro de 2017.

[2] Lei de Supervisão Financeira, seção 1: 1.

[3] van ministerie Financiën, Beantwoording from kamervragen over the gebruik van toezicht on new digital zalals of bitcoin zoals by digital bank, dezembro de 2013.

[4] ECLI: NL: RBOVE: 2014: 2667.

[5] ECLI: EU: C: 2015: 718.

Partilhar