Autoridade parental

Quando uma criança nasce, a mãe da criança tem automaticamente autoridade parental sobre a criança. Exceto nos casos em que a própria mãe ainda é menor naquela época. Se a mãe for casada com seu parceiro ou tiver uma parceria registrada durante o nascimento da criança, o pai da criança também tem automaticamente autoridade parental sobre a criança. Se a mãe e o pai de uma criança viverem exclusivamente juntos, a guarda compartilhada não se aplica automaticamente. Em caso de coabitação, o pai da criança deve, se assim o desejar, reconhecê-la no município. Isso não significa que o parceiro também tenha a guarda da criança. Para o efeito, os pais devem apresentar conjuntamente um pedido de guarda conjunta ao tribunal.

Imagem de autoridade parental

O que significa autoridade parental?

A autoridade parental significa que os pais têm o poder de decidir sobre decisões importantes na vida do filho menor. Por exemplo, decisões médicas, escolha de escola ou a decisão de onde uma criança terá sua residência principal. Na Holanda, temos a guarda unilateral e a guarda conjunta. A custódia unilateral significa que a guarda fica com um dos pais e a guarda conjunta significa que a guarda é exercida por ambos os pais.

A autoridade conjunta pode ser alterada para uma autoridade com um único chefe?

O princípio básico é que a guarda compartilhada, que existia no momento do casamento, continue após o divórcio. Isso geralmente é do interesse da criança. No entanto, em processos de divórcio ou pós-divórcio, um dos progenitores pode pedir ao tribunal que se encarregue da guarda unilateral. Essa solicitação só será concedida nos seguintes casos:

  • se houver um risco inaceitável de que a criança fique presa ou perdida entre os pais e não se espera que isso melhore o suficiente em um futuro próximo, ou;
  • a modificação da custódia é, de outra forma, necessária no melhor interesse da criança.

A experiência prática mostra que os pedidos de autorização de um único chefe apenas são concedidos em casos excepcionais. Um dos critérios mencionados acima deve ser atendido. Quando o pedido de custódia unilateral é concedido, o pai com a guarda não é mais obrigado a consultar o outro pai quando decisões importantes na vida da criança estão envolvidas. O pai que está privado de custódia, portanto, não tem mais voz na vida da criança.

O melhor interesse da criança

'O melhor interesse da criança' não tem uma definição concreta. Este é um conceito vago que precisa ser preenchido pelas circunstâncias de cada situação familiar. O juiz terá, portanto, de examinar todas as circunstâncias de tal pedido. Na prática, entretanto, vários critérios e pontos de partida fixos são usados. Um ponto de partida importante é que a autoridade conjunta deve ser mantida após o divórcio. Os pais devem ser capazes de tomar decisões importantes sobre a criança juntos. Isso também significa que os pais devem ser capazes de se comunicar bem uns com os outros. No entanto, uma comunicação deficiente ou quase nenhuma comunicação não é suficiente para obter a guarda exclusiva. Somente quando a má comunicação entre os pais criar o risco de que os filhos fiquem presos entre os pais e se não houver expectativa de que isso melhore em um curto período de tempo, o tribunal encerrará a guarda compartilhada.

No decorrer do processo, o juiz também pode, às vezes, buscar o conselho de um especialista para determinar o que é do interesse superior da criança. Ele pode então, por exemplo, pedir ao Comitê de Proteção à Criança para investigar e emitir um relatório sobre se a guarda única ou conjunta é no melhor interesse da criança.

A autoridade pode ser alterada de autoridade unilateral para autoridade conjunta?

Se houver guarda unilateral e ambos os pais quiserem mudá-la para guarda conjunta, isso pode ser providenciado pelos tribunais. Isso pode ser solicitado por escrito ou digitalmente por meio de um formulário. Nesse caso, será feita menção no registro de guarda informando que a criança em questão tem guarda compartilhada.

Se os pais não concordarem com a mudança da guarda única para a guarda conjunta, o pai que não tem a guarda no momento pode levar a questão ao tribunal e solicitar o co-segurado. Isso só será rejeitado se houver o critério clandestino e perdido acima mencionado ou se a rejeição for necessária no melhor interesse da criança. Na prática, muitas vezes é concedido um pedido de mudança da guarda única para a guarda conjunta. Isso ocorre porque na Holanda temos o princípio da parentalidade igual. Este princípio significa que pais e mães devem ter um papel igual no cuidado e na educação de seus filhos.

Fim da autoridade parental

A custódia parental cessa de pleno direito assim que a criança atinge a idade de 18 anos. A partir desse momento, a criança atinge a maioridade e tem o poder de decidir sobre a sua própria vida.

Tem perguntas sobre a autoridade parental ou deseja ser assistido no processo de candidatura à autoridade parental única ou conjunta? Entre em contato diretamente com um de nossos advogados experientes em direito da família. Os advogados em Law & More ficará feliz em aconselhá-lo e ajudá-lo em tais procedimentos no melhor interesse de seu filho.

Compartilhe
Law & More B.V.