Reconhecimento e execução de um veredicto russo de destruição

Em muitos contratos comerciais nacionais e internacionais, eles geralmente tendem a organizar arbitragem para resolver disputas comerciais. Isso significa que o caso será atribuído a um árbitro em vez de a um juiz do tribunal nacional. Para que a execução de uma sentença arbitral seja concluída, é necessário que o juiz do país de execução forneça um exequatur. Um exequatur implica o reconhecimento de uma sentença arbitral e igual a uma sentença judicial pode ser executada ou executada. As regras para o reconhecimento e execução de um veredicto estrangeiro são regulamentadas na Convenção de Nova York. Esta convenção foi adotada por uma conferência diplomática das Nações Unidas em 10 de junho de 1958 em Nova York. Esta convenção foi celebrada principalmente para regular e facilitar o procedimento de reconhecimento e execução de uma sentença judicial estrangeira entre os Estados contratantes.

Atualmente, a convenção de Nova York tem 159 partidos estaduais.

Quando se trata de reconhecimento e execução com base no artigo V (1) da Convenção de Nova York, o juiz pode ter poder discricionário em casos excepcionais. Em princípio, o juiz não pode examinar ou avaliar o conteúdo de uma sentença judicial em processos relativos ao reconhecimento e à execução. No entanto, há exceções em relação a indícios graves de vícios essenciais na decisão judicial, de modo que não pode ser considerado um julgamento justo. Outra exceção a essa regra é aplicável se for suficientemente plausível que, no caso de um julgamento justo, também teria levado à destruição da sentença judicial. O seguinte caso importante do Conselho Superior ilustra até que ponto a exceção pode ser usada nas práticas diárias. A questão principal é se uma sentença arbitral que foi destruída pelo tribunal russo ainda pode ser aprovada no procedimento de reconhecimento e execução na Holanda.

Reconhecimento e execução de um veredicto russo de destruição

O caso é sobre uma pessoa jurídica russa que é uma produtora de aço com operação internacional chamada OJSC Novolipetsky Metallurgichesky Kombinat (NLMK). O produtor de aço é o maior empregador da região russa de Lipetsk. A maioria das ações da empresa pertence ao empresário russo VS Lisin. Lisin também é proprietária dos portos de transbordo em São Petersburgo e Tuapse. Lisin ocupa uma posição de destaque na estatal russa United Shipbuilding Corporation e também possui participações na estatal russa Freight One, que é uma empresa ferroviária. Com base no Acordo de Compra, que inclui um processo de Arbitragem, ambas as partes concordaram com a compra e venda das ações da Lisin da NLMK para a NLMK. Após uma disputa e atrasos nos pagamentos do preço de compra em nome da NLKM, Lisin decide levar a questão ao Tribunal Internacional de Arbitragem Comercial da Câmara de Comércio e Indústria da Federação Russa e exige o pagamento do preço de compra das ações, que está de acordo para ele, 14,7 bilhões de rublos. A NLMK afirma em sua defesa que Lisin já recebeu um pagamento adiantado, o que significa que o valor do preço de compra mudou para 5,9 bilhões de rublos.

Em março de 2011, foi iniciado um processo criminal contra Lisin por suspeita de fraude como parte da transação de ações com a NLMK e também por suspeita de enganar o tribunal de arbitragem no caso contra a NLMK. No entanto, as queixas não levaram a um processo criminal.

O tribunal de arbitragem, onde o caso entre Lisin e NLMK foi levado a efeito, condenou a NLMK a pagar o valor restante do preço de compra de 8,9 rublos e rejeitou as alegações originais de ambas as partes. O preço de compra é subsequentemente calculado com base na metade do preço de compra da Lisin (22,1 bilhões de rublos) e no valor calculado pela NLMK (1,4 bilhões de rublos). No que diz respeito ao pagamento antecipado, o tribunal condenou a NLMK a pagar 8,9 bilhões de rublos. Não é possível um recurso contra a decisão do tribunal de arbitragem e a NLMK reivindicou, com base em suspeitas anteriores de fraude cometida por Lisin, a destruição da sentença arbitral pelo tribunal de Arbitrazh da cidade de Moscou. Essa reivindicação foi atribuída e a sentença arbitral será destruída.

Lisin não aceitará isso e deseja buscar uma ordem de preservação das ações detidas pela NLMK em seu próprio capital, a NLMK international BV, em Amsterdã. A destruição deste veredicto tornou impossível a busca de uma ordem de preservação na Rússia. Portanto, a Lisin solicita o reconhecimento e a execução da sentença arbitral. Seu pedido foi negado. Com base na convenção de Nova York, é comum que a autoridade competente do país de cujo sistema judiciário a sentença arbitral se baseie (neste caso, os tribunais ordinários russos) decida, dentro da lei nacional, a destruição de sentenças arbitrais. Em princípio, o tribunal de execução não tem permissão para avaliar essas sentenças arbitrais. O Tribunal de Processo Interlocutório considera que a decisão arbitral não pode ser executada, porque não existe mais.

Lisin interpôs recurso dessa sentença no Tribunal de Apelação de Amsterdã. O Tribunal considera que, em princípio, uma sentença arbitral destruída geralmente não levará em consideração para qualquer reconhecimento e execução, a menos que seja um caso excepcional. Existe um caso excepcional se houver fortes indícios de que o julgamento dos tribunais russos carece de defeitos essenciais, de modo que isso não possa ser considerado como um julgamento justo. O Tribunal de Apelação de Amsterdã não considera esse caso em particular como uma exceção.

Lisin interpôs recurso de cassação contra esse veredicto. Segundo Lisin, o tribunal também deixou de apreciar o poder discricionário concedido ao tribunal com base no artigo V (1) (e) que examina se uma sentença de destruição estrangeira pode anular o procedimento de execução de uma sentença arbitral na Holanda. O Conselho Superior comparou a versão autêntica em inglês e francês do texto da Convenção. Ambas as versões parecem conter uma interpretação diferente sobre o poder discricionário concedido ao tribunal. A versão em inglês do artigo V (1) (e) declara o seguinte:

  1. O reconhecimento e a execução da sentença podem ser recusados, a pedido da parte contra a qual ela é invocada, somente se essa parte fornecer à autoridade competente onde o reconhecimento e a execução são solicitados, prova de que:

(...)

  1. e) O prêmio ainda não se tornou vinculativo para as partes ou foi anulado ou suspenso por uma autoridade competente do país em que, ou de acordo com a lei, o prêmio foi concedido. ”

A versão francesa do artigo V (1) (e) declara o seguinte:

“1. La reconnaissance et l'exécution de la frase ne seront refusées, sur requête de la partie contre laquelle elle est invoquée, que si cette partie fournit à l'autorité compétente du pays où la reconnaissance et l'exécution sont demandées la preuve:

(...)

  1. e) Que la frase n'est pas encore devenue obrigatório pour les parties ou a été annulée ou suspendue par une autorité compétente du pays dans lequel, ou d'après la loi duquel, la frase a été rendue.

O poder discricionário da versão inglesa ('pode ser recusado') parece mais amplo do que a versão francesa ('ne seront refusées que si'). O Alto Conselho encontrou muitas interpretações divergentes em outros recursos sobre a aplicação correta da convenção.

O Conselho Superior tenta esclarecer as diferentes interpretações adicionando suas próprias interpretações. Isso significa que o poder discricionário só pode ser aplicado quando houver motivo de recusa de acordo com a Convenção. Nesse caso, tratava-se de um motivo de recusa referente à "destruição de um prêmio de arbitragem". Cabe a Lisin provar, com base nos fatos e circunstâncias, que o motivo da recusa é infundado.

O Conselho Superior compartilha totalmente da opinião do Tribunal de Recurso. Só pode haver um caso especial de acordo com o Tribunal Superior quando a destruição da sentença arbitral se baseia em motivos que não correspondem aos motivos de recusa do artigo V (1). Embora o tribunal holandês tenha poder discricionário no caso de reconhecimento e execução, ele ainda não se aplica a uma decisão de destruição neste caso particular. A objeção feita por Lisin não tem chance de sucesso.

Esse julgamento do Conselho Superior oferece uma interpretação clara de como o artigo V (1) da convenção de Nova York deve ser interpretado no caso do poder discricionário concedido ao tribunal durante o reconhecimento e execução de um veredicto de destruição. Isto significa, em resumo, que somente em casos particulares uma destruição de julgamento pode ser substituída.

Partilhe