Blog

A Lei de Falências e seus procedimentos

Anteriormente, escrevemos um blog sobre as circunstâncias em que uma falência pode ser pedida e como esse procedimento funciona. Além da falência (regulamentada no Título I), a Lei de Falências (em holandês, a Faillissementswet, doravante referida como 'Fw') possui dois outros procedimentos. A saber: a moratória (Título II) e o esquema de reestruturação da dívida para pessoas físicas (Título III, também conhecido como Lei de Reescalonamento da Dívida para Pessoas Naturais ou em holandês, Wet Schuldsanering Natuurlijke Personen 'WSNP'). Qual é a diferença entre esses procedimentos? Neste artigo iremos explicar isso.

Falência

Em primeiro lugar, o Fw regula o processo de falência. Este processo implica uma penhora geral da totalidade dos bens do devedor em benefício dos credores. Trata-se de uma ação coletiva. Embora sempre exista a possibilidade de os credores buscarem reparação individualmente, fora da falência, com base nas disposições do Código de Processo Civil (em holandês Wetboek van Burgerlijke Rechtsvordering ou 'Rv'), nem sempre é uma opção socialmente desejável. Se um mecanismo de tutela coletiva for implementado, ele evita muitos processos separados para obter um título executório e sua execução. Além disso, os bens do devedor são repartidos equitativamente entre os credores, ao contrário do recurso individual, onde não existe ordem de precedência.

A lei inclui uma série de disposições para este procedimento de tutela coletiva. Se a falência for decretada, o devedor perde a alienação e gestão dos bens (a herança) que estão abertos à recuperação nos termos do artigo 23 Fw. Além disso, já não é possível aos credores pedirem reparação individualmente e todas as penhoras feitas antes da falência são canceladas (artigo 33 Fw). A única possibilidade de os credores em processo de falência obterem o pagamento de seus créditos é submetê-los à verificação (Artigo 26 Fw). É nomeado um liquidatário facilitador da falência que decide sobre a verificação e administra e liquida a herança em benefício dos credores conjuntos (Artigo 68 Fw).

Suspensão de pagamento

Em segundo lugar, o FW oferece outro procedimento: a suspensão dos pagamentos. Este procedimento não se destina a distribuir os rendimentos do devedor como a falência, mas a mantê-los. Se ainda for possível sair do vermelho e, assim, evitar a falência, isso só é possível para um devedor se ele realmente preservar seu patrimônio. Um devedor pode, portanto, solicitar uma moratória se ele não estiver em uma situação em que ele tenha parado de pagar suas dívidas, mas se ele prevê que ele estará em tal situação no futuro (Artigo 214 Fw).

Se o pedido de moratória for deferido, o devedor não pode ser obrigado a pagar os créditos cobertos pela moratória, as execuções hipotecárias são suspensas e todos os penhora (cautelares e exigíveis) são cancelados. A ideia por trás disso é que, ao tirar a pressão, há espaço para reorganização. No entanto, na maioria dos casos, isso não é bem-sucedido, porque ainda é possível fazer valer créditos aos quais se atribui prioridade (por exemplo, no caso de um direito de retenção ou de um direito de penhor ou hipoteca). O pedido de moratória pode disparar o alarme para esses credores e, portanto, incentivá-los a insistir no pagamento. Além disso, o devedor só pode reorganizar os seus empregados até certo ponto.

A reestruturação da dívida de pessoas físicas

O terceiro procedimento do Fw, a reestruturação da dívida para pessoas singulares, é semelhante ao procedimento de falência. Como as empresas são dissolvidas com o encerramento do processo de falência, os credores não têm mais devedor e não podem receber seu dinheiro. Evidentemente, este não é o caso de uma pessoa singular, o que significa que alguns devedores podem ser perseguidos pelos credores pelo resto da vida. É por isso que, após uma conclusão bem-sucedida, o devedor pode começar do zero com o procedimento de reestruturação da dívida.

Uma ficha limpa significa que as dívidas não pagas do devedor são convertidas em obrigações naturais (artigo 358.º Fw). Estes não são exigíveis por lei, então eles podem ser vistos como meras obrigações morais. Para obter essa ficha limpa, é importante que o devedor faça o máximo esforço possível durante a vigência do acordo para coletar o máximo de receita possível. Grande parte desses ativos é então liquidada, como no processo de falência.

Um pedido de reestruturação de dívida só será concedido se o devedor tiver agido de boa fé nos cinco anos anteriores ao pedido. Muitas circunstâncias são levadas em consideração nesta avaliação, incluindo se as dívidas ou o não pagamento são repreensíveis e a extensão do esforço para pagar essas dívidas. A boa fé também é importante durante e após os procedimentos. Em caso de falta de boa fé durante o processo, o processo pode ser encerrado (artigo 350.º, n.º 3 Fw). A boa-fé no final e após o processo também é uma condição prévia para garantir e manter a ficha limpa.

Neste artigo, fornecemos uma breve explicação dos diferentes procedimentos do Fw. Por um lado, existem os procedimentos de liquidação: o procedimento geral de falência e o procedimento de reescalonamento de dívidas, que apenas se aplica às pessoas singulares. Nestes processos, os bens do devedor são liquidados coletivamente em benefício dos credores solidários. Por outro lado, existe a suspensão do procedimento de pagamento que, ao «suspender» as obrigações de pagamento para com os credores quirografários, pode permitir ao devedor regular a sua situação e, assim, evitar uma eventual falência. Você tem alguma dúvida sobre o Fw e os procedimentos que ele fornece? Então por favor entre em contato Law & More. Nossos advogados são especializados em direito de insolvência e ficarão felizes em ajudá-lo!

Compartilhe